Muda sua vida...hoje!

Lisboa Counselling
2. Pensamento Positivo – Impacto do Pensamento Negativo

1493190_591408984265295_1943186125_n

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Sem dúvida que és livre para pensares como queres. No entanto, o teu padrão de pensamento afecta todas as áreas da tua vida: a tua saúde física, bem-estar e qualidade de vida, relacionamentos, performance, etc.

 

 

Preocupação 

A preocupação é um dos problemas mais comuns na nossa sociedade. A pressão constante que ela traz, produz não só stress e ansiedade mas também um grande desgaste mental, levando a uma sensação de cansaço ou exaustão quase permanente, a falta de paciência, desânimo e falta de esperança. Facilmente este hábito leva a distúrbios a nível emocional e mental, com o consequente consumo de ansiolíticos, antidepressivos e outros medicamentos do campo psiquiátrico que podiam (e deviam) ser evitados. Com o tempo acaba também por trazer problemas psicossomáticos, como gastrites, hipertensão, alergias, entre outros.

 

“Não há nada a fazer”

Esta é uma atitude muito típica da nossa cultura. O problema é que, na prática, ela vai mesmo reduzir a possibilidade de mudar alguma coisa, levando depois as pessoas a pensar que tinham razão, que realmente não era possível resolver aquele problema, sem perceberem que foram elas próprias que sabotaram a sua resolução.

Quando há um problema, não podes dar-te ao luxo de ficar a pensar que não dá para fazer nada. Isso vai gastar a tua energia (que devia estar a ser canalizada para resolver o problema) e roubar precisão ao teu foco.

 

Relacionamentos

O pensamento negativo, mesmo embrulhado nas melhores intenções, tem a capacidade de destruir qualquer relacionamento. E, ironicamente, acaba por provocar o resultado oposto daquele que a pessoa desejava.

A preocupação que sintas em relação a uma pessoa amada (o teu conjugue, filho,…) pode levar-te a colocar uma grande pressão sobre essa pessoa. Ao quereres o melhor para ele/a, acabas por ir dizendo sempre as mesmas coisas, fazendo os mesmos comentários, as mesmas críticas. Eu percebo que, se algo não está bem com a outra pessoa, tu precisas de fazer alguma coisa. Mas é importante perceberes que a estratégia que já estás farto de usar sem resultado, se ainda não funcionou, não vai começar a funcionar. Pelo contrário, essa pressão que colocas sobre o outro vai fazer com que ele, mesmo inconscientemente, tenha a reação oposta ao que desejas.

 

Comunicação negativa

O nosso estilo de comunicação influência as palavras dos que nos ouvem, e mais ainda se forem palavras negativas. Num grupo, quando alguém começa a dizer mal de alguma coisa, os outros tendem a também dizer ainda pior. E é fácil os temas de conversa de um grupo andarem sempre em volta do negativo, das reclamações, dos queixumes.

Da mesma forma, uma pessoa pode ir desenvolvendo uma forma de comunicar tão negativa, sempre em volta de críticas, maledicência ou queixumes, que se torna muito difícil estar com ela. Muitas vezes sou procurada por filhos adultos que querem “aprender” a lidar com os seus pais idosos. Ao longo dos anos, as conversas com esses pais foram-se tornando cada vez mais difíceis, apenas em volta de críticas, acusações e mesmo palavras desrespeitosas. Estes filhos lutam com a obrigação de estar com os pais e vivem a culpa constante de sentirem que não os visitam tanto quanto “deviam”. Mas têm consciência de que essa pressão que os pais colocam sobre eles, os está a destruir. Eles não aguentam esse negativismo mas não sabem como o influenciar de forma positiva. E muitos pensam (erradamente) que não é possível influenciar a comunicação com os pais (ou outras pessoas “negativas”) sem estar a faltar-lhes ao respeito ou a maltratá-los.

 

Palavras e pensamento são influenciáveis.  Tu podes influenciar a forma como as outras pessoas comunicam contigo.

Deixa-nós uma resposta...

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

* *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>