Muda sua vida...hoje!

Lisboa Counselling
3. Violência Doméstica — Perfil do Agressor

images-1

 

 

 

 

 

 

 

 

O agressor é sempre homem?

Não!

 

Também há mulheres agressoras e mesmo jovens e crianças. O agressor desenvolve as suas características de predador desde tenra idade. A crueldade e o total desprezo pela dor do outro, podem ser encontradas mesmo em crianças muito pequenas. É fundamental a família perceber que isso é um sinal de alerta grave e que não “passa com a idade”. Tenho trabalhado com situações extremas, de abuso de pais por parte de filhos menores, por vezes com consequências dramáticas, mesmo a nível de Justiça (que muitas vezes não reconhece as características do agressor e raramente está disposta a considerar que o predador seja o filho pequeno e não os pais). É fundamental a família procurar ajuda o mais cedo possível, para tentar minimizar o poder destrutivo que têm em casa.

 

Actor perfeito 

O agressor é, acima de tudo, um actor. Ele não é uma vítima de qualquer problema genético, nem um doente mental. As suas atitudes são intencionais e planeadas.

Ele esconde-se atrás de uma máscara de “boa intenção”, conseguindo que as suas atitudes mais cruéis sejam vistas pelos outros como boas. Adora ser visto como o ajudador, gentil, generoso, sofredor, estando muitos deles ligados a algum tipo de ajuda ou causa social.

O agressor é tão habilidoso em se camuflar, que a maioria deles, nas várias formas de bullying (no trabalho, na escola, em casa) só é detectado pela própria vítima. No entanto, quando esta começa a aperceber-se que ele é um monstro, ele já tomou as medidas necessárias para garantir que ela não irá falar.

Esconde completamente todo o seu “eu interior”. Tudo o que mostra é fachada e mentira.

 

Centrado em si próprio 

É egocêntrico, arrogante e orgulhoso, não tendo problema em mostrar que se considera superior aos outros (embora muitos o façam com uma aparência de humildade). Acha que tudo o que tem de bom é fruto do seu próprio esforço. Pode tornar-se de uma grandiosidade ridícula e tender para a paranóia. Tem tendência para desenvolver grandes ideias, grandes projectos, que normalmente não concretiza, culpando os outros por isso.

Adora fazer o papel de “coitado”, defendendo que é especialmente incompreendido e maltratado (quase todos referem atitudes escabrosas da sua família contra eles, durante a sua infância e juventude e que, quase sempre, são mentira).

 

Insensibilidade

Há uma total ausência de sentimentos de culpa, arrependimento ou remorsos pelo que faz. Ele é frio, calculista, destrutivo, sem limites. Usa o escárnio e o desprezo. É um transgressor de regras sociais que só visa os seus próprios interesses.

Ele tem uma total incapacidade para “sentir” a dor do outro, mas tem uma habilidade muito acima da média para detectar e perceber essa dor. É especialista em saber aquilo que mais profundamente destrói a sua vítima, o que lhe dá o poder de provocar grande destruição com um mínimo de esforço.

No entanto, como actor que é, muitos simulam uma sensibilidade acima da média, de tal forma convincente que essa chega a ser a principal característica que os outros vêem neles.

 

Comunicação 

A sua forma de comunicação mais comum com a sua vítima  tende a ser o monólogo, começando com aparência de discussão, mas rapidamente passando a ser ele o único a falar, fazendo longos discursos (que podem ser de gritaria), que podem demorar horas, acerca dos erros e culpas da sua vítima, até que ela fica num estado de entorpecimento mental, incapaz de reagir, de se defender ou mesmo de ter uma visão clara da realidade.

É intolerante em relação a outros pontos de vista. Adora ouvir a sua própria voz.

 

Cruel 

É cruel e vingativo, vendo qualquer tentativa de abordar o assunto como uma traição a ser punida. Usa a ira para intimidar e destruir.

A sua vítima sabe que qualquer atitude dela que lhe desagrade, vai ser duramente punida. A sua crueldade leva-o a nunca deixar muito clara a linha entre o que é ou não permitido, de modo que a vítima vive num estado de terror permanente, sabendo que a qualquer momento pode haver punição, mesmo sem ela saber porquê.

Deleita-se em “roubar a vida” da sua vítima, o seu sentido de propósito, a sua individualidade e vitalidade.

 

Confunde a vítima

Todos eles tentam confundir a vítima. Numa fase mais ligeira, há sempre a atitude de “olha o que me obrigaste a fazer”. Numa fase mais avançada ou mais grave, ele passa a dizer que  é ela que o agride. Isto é feito através de uma pressão psicológica intencional, planeada e constante, de modo que a maioria das vítimas apresenta sinais por vezes bastante acentuados de desorientação, baixa auto-confiança, etc.

Quase todos investem fortemente em convencer a sua vítima de que ela tem problemas mentais, de que “não está bem da cabeça”. Muitos insistem para que ela comece a ser seguida por psiquiatra.

 

Inteligente mas covarde

O agressor normalmente é muito inteligente e tem grande poder de persuasão e habilidade para enganar. É mentiroso, manipulador, sem escrúpulos. São extremamente habilidosos em usar da nossa boa fé.

Ele usa a sua inteligência para planear e obter os resultados desejados. Nunca há jogo limpo ou aberto. São quase sempre pessoas extremamente covardes que só agridem quando sabem que não correm riscos.

 

Há vários níveis de gravidade, mas todos eles deixam marcas de destruição por onde passam.

vd 3

Deixa-nós uma resposta...

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

* *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>