Muda sua vida...hoje!

Lisboa Counselling
Counselling Vs. Psicoterapia — 2

PAPEL E CARACTERÍSTICAS DA PSIQUIATRIA E PSICANÁLISE

Há várias abordagens possíveis? Quais as características de cada uma?

Como fazer uma escolha informada?

Todos nós já ouvimos o feedback de pessoas que procuraram ajuda para tratar problemas emocionais ou comportamentais e não obtiveram resultados satisfatórios ou, em alguns casos, até ficaram pior do que estavam. Isto alimenta a convicção de muitas pessoas de que tais problemas não têm cura. Aliás, as dificuldades emocionais continuam a ser vistas com algum preconceito, como algo que deve ser escondido.

Uma das opções mais comuns, perante distúrbios emocionais, é a psiquiatria. O uso da medicação está tão generalizado que, na maioria das situações, essa é a primeira opção. E muitas pessoas que entram nesse processo, continuam a usar medicação psiquiátrica para o resto das suas vidas.

Uma vez que os distúrbios emocionais não são uma “doença” orgânica (embora possam provocar muitas) , dificilmente serão “curados” através de medicação. O efeito desta é essencialmente a nível do alívio dos sintomas. No entanto, se o problema não for tratado na sua raiz, provavelmente não será resolvido. A medicação anestesia os sintomas e pode alterar aspectos como o humor e as emoções, mas dificilmente resolve as causas desses problemas.

Esta abordagem não requer qualquer colaboração por parte do paciente, que tem um papel bastante passivo.

Outra abordagem, que esteve muito na moda na segunda metade do século passado, é a psicanálise. Nesta terapia, que teve o seu início com Freud, há uma grande ênfase na infância como raiz de todos os problemas presentes. Segundo os psicanalistas, as disfunções ou distúrbios das pessoas devem-se a anseios ou necessidades básicas que não foram satisfeitas quando elas eram crianças. O processo de tratamento passa por recuar até essas fases em que surgiram os bloqueios e é normalmente muito demorado, podendo prolongar-se ao longo de anos.

Na 3ª parte deste artigo irei falar das abordagens da psicoterapia mais comuns em Portugal. Continua atento!


Deixa-nós uma resposta...

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

* *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>