Muda sua vida...hoje!

Lisboa Counselling
2.Depressão — O Impacto da Incompreensão dos Outros

Slide1

Quem nunca passou por uma depressão, dificilmente compreende esta realidade. A ideia de “tristeza profunda” não é vista como algo assim tão grave. Afinal, já toda a gente passou por momentos de grande tristeza e não ficou “no buraco” tempos sem fim. E aí vêm as comparações — “Quando eu passei por aquilo (uma morte, uma situação dramática) não fiquei nesse estado.” Bem, aí eu diria que, se não ficou nesse estado, é porque não entrou em depressão.

 

Racionalização

A tendência de muitas pessoas é para racionalizarem, para afirmarem que o problema do outro não é razão para ele continuar na depressão. Mas a depressão não é racional, não tem razão de ser, não faz sentido. É mais como algo visceral e tão profundamente entranhado que amarra e amarfanha todo o nosso ser. Assim, nunca será possível compreenderes o que se está a passar com o teu familiar ou amigo deprimido, enquanto insistires em olhar para isso de forma racional.

 

Pressão, cobranças e culpa

A incapacidade das outras pessoas em compreenderem o que se está a passar no íntimo do deprimido, facilmente leva a uma enorme pressão e a cobranças constantes que podem realmente impedi-lo de sair dessa situação.

O esforço de saída é muito grande e consome muita energia; os “músculos emocionais” de uma pessoa deprimida estão completamente definhados; a motivação não existe e precisa de ser uma luta constante. A incompreensão dos outros e a forma como eles desenvolvem atitudes negativas, tem no deprimido um impacto muito maior do que teria numa pessoa que estivesse no seu estado normal. Os sentimentos de culpa podem existir quase a tempo inteiro, e muitas vezes são mesmo abertamente incentivados pelas outras pessoas.

 

Depressão nos homens

Nos homens a depressão tem um peso tão grande como nas mulheres. Só que neles, por se considerar que devem ser emocionalmente mais fortes, esse tipo de situação é ainda menos aceite ou compreendido. A pressão é muito maior e as tentativas de esconder o que sentem ou, pior ainda, de tentarem negar o estado em que se encontram, podem levar a um agravamento da situação e a maior dificuldade em sair dela.

 

Solidão profunda

A(s) pessoa(s) que devia(m) estar ao teu lado, que devia apoiar-te, é aquela que não te compreende. O vazio interior é tão intenso, que mesmo o desejo de ter apoio de outra pessoa pode não ser suficientemente forte para te levar a pedires esse apoio. A barreira da incompreensão, os comentários que os outros fazem, podem levar-te a sentir que vives num universo à parte. A angústia pode ser tão intensa que já não consegues falar, acreditas que não vale a pena dizer nada, por vezes podes já nem ter palavras.

 

Consequências

Quando eu trabalho com situações de depressão mais graves, sempre que possível procuro ter o apoio de alguém, um familiar, um amigo que esteja próximo do deprimido e que esteja disposto a aprender e usar estratégias que vão ajudar a ultrapassar a depressão. Em muitos casos, e particularmente em tendências suicidas, este apoio de uma pessoa próxima pode fazer toda a diferença… na realidade, pode mesmo fazer a diferença entre a vida e a morte.

Da mesma forma, a ausência desse apoio e, acima de tudo, a noção de que o outro não está disposto a fazer esse “investimento” ou até nem acredita na gravidade da situação, pode levar o deprimido a desistir interiormente; pode ser o suficiente para cortar aquele último fiozinho que ainda o segurava à vida. Num momento de maior angústia ou vazio, de total e profundo desligamento de tudo, pode levar a pessoa a dar um passo que termine em suicídio.

 

A depressão pode ter um impacto devastador em todas as áreas de quem está a lutar com ela. Uma pessoa que esteja disposta a “caminhar ao lado” do deprimido, na prática pode ajudá-lo a encontrar o caminho de volta para o mundo dos vivos.

Se tens um familiar ou amigo que está a lutar com a depressão e queres ajudar, no LisboaCounselling podes aprender e treinar as competências necessárias para seres esse “ajudador”. Contacta-nos!

Deixa-nós uma resposta...

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

* *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>