Muda sua vida...hoje!

Lisboa Counselling
Testemunhos

Testemunhos

 

Programas Mente Plenahttp://lisboacounselling.com/eventos/

“Logo na primeira semana do programa Mindfulness, consegui dormir melhor, senti-me mais calma e relaxada e de manhã acordei menos cansada.”

Carla, 59 anos, tradutora

 

Ataques de pânico

“Eu nadava regularmente desde miúdo. Cheguei a ser federado e a participar em competições. Tive o primeiro ataque de pânico quando estava na água. Durante anos não consegui nadar nem entrar numa piscina. Com as ferramentas que adquiri no LisboaCounselling, esse problema foi completamente ultrapassado.”

Hugo, 37 anos

 

Café Chat

“É útil tomarmos consciência que em parte está nas nossas mãos lidarmos melhor com o stress e a ansiedade.

Gostei de saber que não é preciso encontrar os porquês das nossas inseguranças, dos nossos “traumas”. O que é preciso é cada um encontrar meios internos de ultrapassar os problemas no sentido de nos sentirmos melhor, de sermos mais felizes. É preciso reflectir no que sentimos e no que poderemos fazer para ficarmos melhor.

Fiquei a conhecer o conceito de descanso activo. Se a cabeça descansar de um problema acaba por recuperar forças.” — Lucília Azevedo, funcionária bancária

 

Conflitos de gerações

“Procurei os serviços do LisboaCounselling para aprender a suportar a relação destrutiva que tinha com a minha mãe, sem me deixar afectar tanto por ela. Em vez disso, aprendi a influenciar e modificar o nosso padrão de comunicação. Agora temos uma relação cordial, não muito íntima nem profunda, mas que já não nos destrói e que até é agradável.”

Teresa, 46 anos, jurista

 

Terapia de Casal

“Aceitei o counselling convencido que já não era possível evitar o divórcio. Ao fim de menos de um mês de trabalho eu sentia que estávamos a viver uma 2ª lua de mel… que tem continuado até hoje.”

João, 50 anos

 

Bullying na escola

“Na sequência de uma situação de bullying muito hábil, cruel e camuflada, a minha filha perdeu a capacidade de falar na escola. Fez 2 anos de escolaridade sem articular uma única palavra dentro do espaço da escola. Recorri a vários médicos e especialistas. Gastei muito dinheiro, lágrimas e quase deixei de acreditar.

Quando ouvi falar de counselling não acreditei que fosse resultar, mas achei que não tinha nada a perder. Em poucos meses de trabalho a minha filha voltou a falar (e a sorrir!).”

Carla, 39 anos

 

Insegurança

Eu era muito insegura e achava que todos os problemas que tinha eram por causa da minha baixa auto-estima. Não conseguia confrontar outros nem defender-me e depois ainda tinha que ouvir as críticas constantes da minha família porque eu “me deixava sempre enrolar pelos outros”.

Com a Mena aprendi competências de comunicação que me ajudaram a deixar de ser o “saco de boxe” dos outros e a “culpada” por tudo o que acontecia. A relação com a minha família melhorou mesmo muito e no trabalho (sem fazer guerras!!!) já não permito que me maltratem e verifico que agora me respeitam muito mais do que antes. O mais incrível é que, com a mudança da minha atitude, as atitudes dos outros para comigo também mudaram completamente.

É verdade, a mudança é possível!

Cristina, 28 anos

 

Stalking

Foi quando estava a assistir a um seminário sobre Violência Doméstica que me “caiu a ficha”.

Um dos meus colegas de trabalho tinha começado por se mostrar muito disponível para me apoiar. Mas com o tempo, esse “apoio” começou a tornar-se constante e até opressivo. Ele tinha atitudes bastantes invasivas, embora sempre com o pretexto de me “ajudar” ou “proteger”.

Às tantas, quando a estava a ouvir, pareceu-me que a Dra Mena Santos conhecia a minha situação e estava a falar especificamente para mim (embora ela nem soubesse da minha existência). Agradeço a sua disponibilidade para uma conversa informal, que me ajudou a confirmar que eu realmente estava a ser vítima de stalking. Esse foi o primeiro passo para eu me libertar de uma situação potencialmente perigosa.

Joana, 23 anos

 

Descanso Activo

“Antes de fazer o curso Descanso Activo do LisboaCounselling sentia-me quase a asfixiar com preocupações e solicitações do trabalho e família, com a sensação de andar sem tempo para nada ou pelo menos para tudo o que achava importante, tinha dificuldades de concentração e havia alturas em que me sentia tremendamente cansada mesmo em períodos de pausa.

Através do Descanso Activo aprendi a identificar e classificar prioridades, a desenvolver estratégias muito simples que geram equilíbrios fundamentais na minha relação com os outros e comigo, organizando tempos de trabalho, de lazer, de convívio e de descanso efectivo.

Mesmo que venha a “baixar a guarda”, hoje sei quais as estratégias a utilizar para regressar aos equilíbrios necessários.”

Fátima Melo, 47 anos, locutora

 

Terapia de Casal

A experiência de aconselhamento com a Mena foi algo que mudou a minha vida não só a título pessoal mas também no meu casamento. Conhecer o trabalho da Mena foi providência de Deus para as minhas necessidades. Já há muito tempo que precisava de aprender algumas habilidades fundamentais para melhorar a minha qualidade de vida. Com a Mena aprendi que a mudança não tem que ser dos outros mas sim de nós próprios e que mudar pequenas coisas no nosso dia a dia, que estão ao nosso alcance, pode fazer grande diferença naquilo que somos. Acredito no Counseling, ainda mais quando é feito com base na Bíblia. A Mena muitas vezes nos fazia pensar e nos ajudava a fazer mais e melhor a vontade de Deus! Aprender a ficar maravilhado com a forma tão maravilhosa como Deus nos criou para sermos o que somos e aceitarmo-nos como somos! Não nascemos com algumas habilidades, mas se quisermos podemos treiná-las e aprender que na realidade não temos assim tantas necessidades e que devemos usufruir cada dia do que temos e dizer “Mas que Bom”!

Maria, 34 anos, professora

 

Café Chat

“Por vezes podemos achar que “Pensar incomoda como andar à chuva, Quando o vento cresce e parece que chove mais” (Alberto Caeiro) e isso não é bom nem é mau desde que não seja contra ti! Neste café reservámos espaço em conjunto para tornar flexível o nosso pensamento e já que tanto pensamos que o seja de diferentes formas, perspectivas e inventivo! Agora é só colocar em teste o que inventámos neste fórum : )”

Leonor Cerqueira, gestão RH

 

Comunicação Negativa

“Eu sempre tive problemas de saúde graves. E pensava que essa era a razão de não conseguir ter uma vida social muito activa e de às vezes parecer que os meus amigos não tinham vontade de estar comigo. Com a ajuda de counselling percebi que o meu estilo de comunicação era muito negativo, o que acabava por afastar as pessoas. Aprendi novas competências de comunicação e mudei não só a minha forma de falar como a minha atitude interior. Em pouco tempo as pessoas começaram a comentar como eu estou diferente e a fazer-me convites com mais frequência. Com a atitude certa, é bem mais fácil comunicar.”

Elisa, 32 anos

 

Pressão psicológica

“Poucas semanas depois de começar o trabalho de counselling, eu disse à Mena: “Sei que nunca mais voltarei a ser a mesma pessoa que era antes de a conhecer!” Já estava num processo evidente de deixar para trás cargas muito pesadas, cuidadosamente embrulhadas e camufladas pela auto-piedade. Um fardo de toneladas já tinha saído dos meus ombros. Agora posso escolher não voltar a carregar esses fardos… nem permitir que outros (bem intencionados!) os voltem a colocar sobre mim.”

Andreia, 29 anos, médica

 

Caminhada de auto-coaching

“Na caminhada do LisboaCounselling aprendi ferramentas que me estão a ajudar a lidar de forma mais eficaz com grupos em que há grande diversidade de pessoas.”

Sandra, 52 anos, professora

 

Angústia

“Quando fiquei desempregado comecei a passar por momentos de grande angústia. A insegurança de não saber quando (e se) voltaria ao mercado de trabalho, as respostas a anúncios de emprego que não resultavam em nada, a incerteza constante. Pior do que tudo era a minha nova rotina, de não ter nada para fazer, não ter responsabilidades nem obrigações. Sentia-me completamente inútil e isso provocava em mim uma angústia insuportável.

O que mudou com o counselling? Comecei a organizar-me e a ocupar o tempo com actividades úteis. Aprendi a controlar os pensamentos negativos que me provocavam a angústia e livrei-me dela (esta foi a mudança mais incrível). Desenvolvi uma atitude mais activa e positiva a todos os níveis, mesmo em relação ao meu aspecto físico que começava a descuidar. Tudo isso fez com que me tornasse mais capaz de alcançar os meus alvos.”

Paulo, 35 anos, gestor

 

Caminhada de auto-coaching

“Participei numa caminhada de auto-coaching do LisboaCounselling e recomendo vivamente.

O que mudou em mim? Bem, aprendi ferramentas que nem sabia que existiam. Por exemplo, aprendi algumas que me ajudam a lidar com pessoas conflituosas de forma mais positiva, em vez de simplesmente desistir ou aguentar.”

Ana, 21 anos, estudante universitária

 

Violência Doméstica

“A minha irmã convenceu-me a contactar a Mena.

Eu tinha casado há pouco mais de um ano. Não conseguia ver nenhum problema específico, mas sentia-me numa angústia cada vez maior. Acreditava que montes de coisas eram culpa minha. A minha mente estava muito confusa (eu nunca tinha sido assim).

Com a Mena aprendi a analisar as situações e a identificar problemas específicos. Percebi que estava a viver uma situação de violência doméstica psicológica muito pesada. Agora estou a fazer um trabalho de reestruturação e fortalecimento interior que me vai ajudar a decidir de forma consciente e informada o que quero fazer com a minha vida.”

Carla, 29 anos, PT

 

Sobrecarga de trabalho

Eu estava a estudar e a trabalhar ao mesmo tempo. A pressão sobre mim era muito grande e comecei a falhar alguns prazos. Uma enorme ansiedade e angústia começaram a tomar conta de mim, tornando o meu estudo quase impossível. Pensei seriamente que teria que desistir do meu curso.

Com a Mena, aprendi e pus em prática estratégias simples que me ajudaram a organizar o tempo de forma a conseguir estudar, trabalhar e ainda descansar. Na defesa da minha tese, as técnicas de redução de stress e skills de comunicação que aprendi, fizeram uma diferença abismal.

Acho que mais importante que tudo, aprendi que problemas não são obstáculos, mas oportunidades para o nosso crescimento (se as aproveitarmos!). Obrigada!

Rute, 32 anos, estudante universitária

 

Conflitos de gerações

“Eu queria ser uma “boa filha” mas cada conversa que eu tinha com a minha mãe acabava em discussão e muitas vezes em choro. Eu vivia atormentada com complexos de culpa. Ela passava o tempo a criticar-me ou a dizer como eu devia fazer as coisas. Não era possível termos uma conversa normal. Para além de me sentir esmagada e impotente, parecia que estava sempre a reviver mágoas do passado.

O que mudou com a ajuda do counselling? Trabalhei cura interior e aprendi técnicas para evitar ou impedir essas críticas e, ao mesmo tempo, para estreitar o meu relacionamento com a minha mãe. Hoje conseguimos conversar sem guerras nem gritarias (coisa que eu nunca achei que fosse possível).”

Ana, 43 anos, esteticista

 

 

Ira

“Sempre tive dificuldade em controlar a impaciência e às vezes gritava com as outras pessoas, principalmente em casa. Estava sempre com raiva de alguém. O meu médico de família convenceu-me a procurar ajuda porque esse stress todo já me estava a prejudicar o coração.

Com a Dra Mena aprendi a organizar o meu tempo de forma mais eficaz, incluindo actividades agradáveis que me ajudam a sentir mais bem disposto. Aprendi técnicas de comunicação que me ajudam a lidar com os problemas sem me irritar.

Agora o meu coração e tensão arterial estão muito melhores e descobri que quando uso estas novas técnicas, até consigo que as pessoas me oiçam mais do que quando eu gritava com elas.”

Rui, 52 anos, desempregado

 

Violência doméstica

“Durante 10 anos vivi uma situação de violência doméstica psicológica muito grave. Quando procurei a ajuda do LisboaCounselling eu era apenas um destroço de mulher.

Em alguns meses de terapia melhorei a minha auto-confiança e auto-estima e aprendi estratégias para lidar com a minha situação: como prevenir ou impedir as crises de agressão, desenvolver um relacionamento forte com os meus filhos e protegê-los da pressão psicológica. Reatei velhos relacionamentos com a minha família e amigos. Recomecei a trabalhar. As pessoas voltaram a dizer-me que estou bonita (há quanto tempo eu não ouvia isso!).

Com a ajuda da Mena, eu reaprendi a sorrir e a usufruir. Obrigada!”

Carla, Professora, 32 anos

 

Ansiedade

“Sempre me considerei uma pessoa capaz de lidar com os meus próprios problemas. Quando a ansiedade começou a fazer parte de mim quase a tempo inteiro, dificultando a minha concentração no trabalho e provocando insónias, eu tentei convencer-me que isso era normal, devido à crise e instabilidade geral.

Contactei o LisboaCounselling um pouco por curiosidade. Antes de completar um mês de “tratamento”, já estava a conseguir dormir várias horas seguidas.

O que mudou em mim? Essencialmente, aprendi a canalizar a minha energia para resolver ou gerir melhor as situações problemáticas, em vez de me auto-sabotar através da ansiedade.”

Paulo, consultor, 37 anos

 

Comunicação negativa

“Eu não tinha nenhum problema grave, mas a minha comunicação era muito negativa. Estava sempre a queixar-me de alguma coisa e a sentir-me coitada. Às vezes até me parecia que as minhas amigas tentavam evitar-me e mesmo o meu marido começava a ficar com pouca paciência para os meus queixumes.

Com o counselling aprendi que não há nenhum mérito ou honra em ser coitada (foi quando a ficha caiu!). Em algumas semanas de treino persistente, com muito apoio e encorajamento, mudei radicalmente a minha maneira de falar. A Mena disse-me que as pessoas íam começar a reparar que eu estava diferente, e isso aconteceu mesmo!”

Joana, 26 anos, engenheira

 

Depressão

“Estava num estado bastante depressivo: ataques de pânico, pensamentos suicidas, muita confusão mental, vazio, e nove comprimidos por dia.
Tudo muda quando “caímos” nas mãos certas.
Com o counselling e trabalho aprendi a não dar tanta importância aos pensamentos negativos que geravam os ataques de pânico. Em 2 meses a angústia passou, os ataques de pânico acalmaram. Saí do buraco! Muito obrigada.”

Liliana Godinho

 

Vícios

“Ao longo de quase toda a minha vida vivi amarrado a um vício. Era para mim motivo de enorme vergonha; sempre procurei escondê-lo mesmo de colegas e amigos. Eu pensava que estaria dependente dessa adição para o resto da minha vida. Mas em 6 meses de trabalho com o LisboaCounselling consegui libertar-me.”

João, 39 anos, bancário

 

Burnout

“Eu estava a trabalhar numa grande multinacional, com um cargo de muita responsabilidade e pressão. Tive um esgotamento grave, com períodos de alucinações e a noção da realidade muito alterada.

Estive a ser seguido em psiquiatria, com medicação muito forte, que me manteve “controlado” mas completamente inactivo. A minha “saúde” não estava a melhorar e, francamente, eu já começava a não ter esperança de que isso acontecesse.

Uma amiga minha assistiu a uma palestra da Dra Mena Santos e ficou entusiasmada com aquela abordagem tão diferente. Conseguiu convencer-me a “pelo menos experimentar”.

Ao fim de um mês de trabalho eu já estava a “funcionar”. Aprendi a assumir a responsabilidade e o controlo pela minha vida e a decidir por mim próprio o que queria ou não fazer (a minha família, com a melhor das intenções, tinha assumido completamente o controlo sobre tudo o que me dizia respeito).

Aprendi a identificar situações ou factores de risco e a preveni-los. E também a fazer uma gestão de tempo equilibrada, que inclui descanso e vida familiar / social.

Reparei numa palavra que repeti várias vezes — aprendi. No fundo, counselling é isso. Ensina-nos e ajuda-nos a desenvolver as ferramentas necessárias para resolvermos os nossos problemas e aumentarmos a nossa qualidade de vida. Sem dúvida, o meu tratamento com a Dra Mena foi tão rápido, porque eu tive um papel muito activo e participante em todo o processo (deixei de viver como um zombie). E descobri que a “agenda” era a MINHA agenda e não a DELA. Ou seja, ela estava ali para me ajudar a alcançar os meus alvos e não aquilo que ela achasse melhor para mim.

A maior diferença das outras terapias é que, em todo o tempo de counselling, eu sei exactamente o que se está a passar e qual o alvo ou etapa para que estamos a trabalhar, e de que forma o estamos a tentar alcançar. Com o meu psiquiatra e com o psicólogo, na realidade eu não sabia quais eram os alvos ou as técnicas que eles supostamente estariam a usar.

E quanto aos custos, a diferença é abismal. Para além das sessões de counselling terem um custo muito mais baixo, não há o gasto em medicação (que é muito alto) e o problema fica realmente resolvido em poucos meses.”

Rui, 36 anos