Muda sua vida...hoje!

Lisboa Counselling
1.Perdão — Quando Devemos Perdoar?

Slide1

Para os cristãos, o perdão é um tema de base. É algo que sabemos que devemos fazer, mas nem sempre sabemos como o conseguir. Na realidade, quase toda a gente acaba por se deparar com esta necessidade de lidar com situações que, intencionais ou não, deixaram a sua “marca” negativa.

Ao longo desta série de artigos, vou falar de alguns aspectos que considero relevantes e também acerca de algumas noções e passos práticos de “como perdoar”.

 

70 x 7

Jesus disse para perdoarmos ao nosso ofensor não apenas sete vezes, mas setenta vezes sete. Parece muito, parece um exagero. E temos a tendência para pensar que “não somos assim tão burros” a ponto de permitirmos que continuem a maltratar-nos sem qualquer reação da nossa parte. No entanto, o foco não é não haver reação e muito menos incentivar-nos a permitir ou pactuar. Num dos próximos artigos irei abordar este aspecto da permissividade.

 

Ofensa imperdoável 

É comum eu deparar-me com pessoas que passaram por uma situação tão grave que acreditam que nunca conseguirão perdoar. Mas afinal, perdoar é mesmo isso. Perdoar é aquilo que precisamos de fazer quando o assunto é tão sério que não podemos simplesmente passar por cima ou “deixar para lá”. Se é algo ligeiro e inconsequente, será mais fácil de ultrapassar e não terás que passar pela luta de perdoares… ou continuares a viver com esse fardo destrutivo dentro de ti.

 

É difícil 

Perdoar é difícil. Na realidade, é uma luta de gigantes. E torna-se ainda mais doloroso quando o que te fizeram (ou deviam ter feito e não fizeram) teve consequências, teve um custo (emocional ou outro) que és tu quem tem que suportar. Ou quando é uma situação que se repete — tu lutas; tu pensas que perdoaste; consegues sentir-te menos amargo… e a outra pessoa volta a fazer o mesmo. E a tua ferida volta a abrir, não só por causa desse momento, mas por todas as vezes que essa mesma situação já aconteceu; por tudo o que já investiste dentro de ti para te libertares da dor; por verificares mais uma vez que não conseguiste.

 

Sentimentos de culpa 

Quando sabes que deves perdoar, que esse é o teu papel, surge outro problema — a culpa de continuares a pensar nisso, a sentir a dor, a teres a consciência de que na realidade ainda não perdoaste coisa nenhuma. Essa culpa até poderá fazer sentido. Mas ela não leva a um caminho de saída. A sensação de culpa não direciona para a mudança; pelo contrário, ela agrava o problema.

 

Escravo 

Há dias, um cliente meu estava a dizer que tem perfeita consciência de que o seu ofensor dorme descansado toda a noite, enquanto ele continua às voltas na cama a lutar com as suas insónias.

A falta de perdão é isso mesmo. Continuas escravo daquilo que o outro te fez. Continuas a permitir que a ofensa dele continue a ser eficaz em te destruir. Ou seja, aquilo que te fez tanto mal quando aconteceu, continua a fazer-te o mesmo mal de cada vez que te lembras disso. O teu agressor continua a agredir-te, sem ter que fazer nada para isso.

Talvez estejas a viver uma situação dessas quase a tempo inteiro… talvez uma situação que já dura há anos… ou há décadas.

 

A raiz de amargura rouba a tua capacidade de viver. Podes continuar escravo dessa amargura… ou libertar-te do poder destrutivo daquele que te maltratou.

A escolha é tua!

Deixa-nós uma resposta...

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

* *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>