Muda sua vida...hoje!

Lisboa Counselling
Resolução de Conflitos nas Empresas

A empresa recebeu uma grande encomenda de outra importante empresa cliente. Esse trabalho foi entregue à mesma equipa que no ano anterior já tinham trabalhado para eles num projecto semelhante. O prazo de entrega do trabalho não dava muito espaço para erros ou acidentes.

Neste projecto, cada um dos membros da equipa tinha um papel específico. Um deles, que no projecto anterior tinha sido causador de atritos que tinham prejudicado seriamente a entrega do trabalho, voltou a provocar uma situação que fez com que tivessem que perder mais de duas semanas para a resolver    num projecto com custos astronómicos ao dia.

Basta haver duas pessoas juntas, para que a probabilidade de conflitos seja grande. E numa empresa, em que trabalham muitas pessoas juntas, normalmente ao longo de anos, a probabilidade de conflito é ainda maior.

O conflito é natural; é algo que faz parte do ser humano e não tem que ser necessariamente negativo. No entanto, não deveria nunca ser ignorado ou abafado. Não é possível enfiar no armário uma situação de conflito. Se ela existe, vai voltar a manifestar-se, com consequências cada vez mais graves.

Uma das formas mais comuns de reacção ao conflito é escapar    a pessoa procura escapar ao conflito em vez de o resolver. Pode fingir que o conflito não existe, tenta encobrir, começa a evitar a outra pessoa, etc. Normalmente essa atitude prolonga e cristaliza o conflito, resultando em ressentimento. Estas situações podem manter-se ao longo de anos e a pessoa ofendida viver mental e emocionalmente escravizada por essa situação.

Outra forma de reacção é atacar, usada para pressionar os outros de forma a conseguir o que quer. Pode ser deitar abaixo, dizer mal do outro, ou assumir formas mais directas como intimidação, chantagem, etc.

A situação de conflito não resolvido ou de ressentimento pode ser causa de muitas doenças psicossomáticas e é uma das maiores fontes de stress. Há várias formas de lidar com estes problemas emocionais. As mais usadas são ignorar o problema ou recorrer a medicação. Outra opção é aprender a lidar com as situações de uma forma mais eficaz.  O curso “Reduzir o Stress”, em e-learning,  foi planeado para que as pessoas possam, na sua privacidade, aprender e implementar formas mais eficazes de lidar com as suas próprias fontes de stress    conflitos e outras. Pode ver mais informações em www.insideout-change.blogspot.com

Numa empresa, um conflito não resolvido, acaba por afectar também as outras pessoas que estão à volta e provocar mau ambiente e mesmo prejuízo. Um líder de uma equipa não deve, de forma alguma, permitir que permaneça um ambiente de conflito entre os seus colaboradores.

O que fazer?

Falar abertamente

A resolução de um conflito passa sempre por um maior auto-conhecimento, por parte das várias pessoas envolvidas. É fácil assumirmos a atitude de que a culpa é toda do outro. Por isso, é preciso analisar a situação de forma objectiva. A comunicação precisa de ser clara e não ameaçadora para nenhuma das partes. Deve ter-se o cuidado de distinguir os factos das emoções, e da interpretações desses factos.

Procurar a reconciliação

O alvo é sempre a reconciliação. Isto não significa que essas pessoas tenham que passar a gostar uma da outra ou passem a trabalhar sempre juntas. Há temperamentos que naturalmente têm mais dificuldade em funcionar juntos e faz parte do trabalho do líder perceber de que forma as várias pessoas da sua equipa podem funcionar melhor em conjunto.

Analisar e planear a mudança

Para se poder resolver o conflito, é preciso falar do que aconteceu, das consequências e decidir como se vai lidar com essa situação, o que se vai fazer de diferente a partir daí.

Encerrar o assunto…

O conflito deve ficar resolvido. Ou seja, deve ser falado, planeado e mudado o que for necessário e depois o assunto fica aí. Não deve servir, de forma alguma, para continuar a “atirar à cara” daquele(s) que agiu errado. Um assunto que foi resolvido e encerrado não deve continuar a ser mexido, como forma de chantagem, pressão ou embaraço do outro.

… mas implementar mudança

Por outro lado, não se pode deixar de lado a questão da mudança. As pessoas envolvidas no conflito, precisam de passar a agir e a lidar com as situações de forma diferente. Ou seja, o não voltar a usar o que alguém fez de errado contra ele, não significa que se permita que esse tipo de atitudes continue.

Um aspecto muito importante, em relação a conflitos ou outro tipo de dificuldades, é a prevenção. Quanto mais capacitadas as pessoas estiverem em termos de relações interpessoais, trabalho em equipa, comunicação eficaz, entre outros, menor a probabilidade de que surjam conflitos não resolvidos. O líder deve empenhar-se em estimular e ajudar a sua equipa a desenvolver as capacidades necessárias para funcionarem bem em conjunto, e proporcionar os meios necessários para isso.

Quando a equipa funciona bem, o trabalho pode tornar-se um prazer (não um vício!), em vez de ser como remar em águas turbulentas, ou mesmo contra a maré!

in www.meiobyte.com, Nov 2010

Deixa-nós uma resposta...

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

* *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>