Muda sua vida...hoje!

Lisboa Counselling
4.Terapia de Casal – Como é Que Funciona?

imgres

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Aprende a desenvolver a leveza, para poderes alcançar a profundidade!

 

 

 

Muitas pessoas que passam por terapia de casal vêem a sua situação piorar e chegar mesmo ao divórcio, em vez de se resolver. Isso é natural?

Bem, há muitas pessoas (e várias especialidades) que lidam com problemas a nível do casamento, o que implica também uma grande variedade de abordagens e de “técnicas” e igual variedade de resultados. Neste artigo vou falar apenas do tipo de abordagem que fazemos em Counselling e, mais especificamente, do tipo de trabalho feito pelo LisboaCounselling.

 

Sessões separadas

Para mim, um dos aspectos fundamentais em terapia de casal, é trabalhar em sessões individuais. Mesmo quando trabalho com os dois cônjugues, faço-o em sessões separadas. Isto permite, por um lado, que cada deles fale à vontade sem se sentir constrangido ou intimidado pela presença do outro e, por outro lado, que eu também possa falar abertamente sem correr o risco de que o que digo a um vá aumentar a pressão por parte do outro.

 

Como se trabalha?

Neste processo há um trabalho individual em cada parceiro, desenvolvendo e melhorando áreas específicas de cada um e, para além disso, há o trabalho específico de casal, em que ambos vão estar a trabalhar a mesma área ao mesmo tempo. Neste caso pode ser algo tão simples como conseguirem conversar alguns minutos de forma leve e sem gritarem um com o outro. Naturalmente, e apesar de parecerem muito simples, algumas destas actividades são “impossíveis” no início. Aí, é o meu papel ensinar e treinar com eles estratégias para o conseguirem, até que isso se torne algo natural.

 

Quais os objectivos?

Uma relação íntima que não funciona, afecta e desgasta todas as áreas da vida das pessoas que nela estão envolvidas, para além de afectar também os que vivem com eles.

O objectivo é melhorar o bem-estar de cada um e a sua capacidade de lidar com a situação e, sempre que possível, restaurar o relacionamento. Digo “sempre que possível” porque em alguns relacionamentos não se consegue mudança suficiente para que funcionem de forma saudável, normalmente quando um dos membros do casal se recusa totalmente a mudar uma atitude que é insustentável (adultério, abuso físico ou psicológico, etc). No entanto, mesmo nestas situações é frequente conseguirmos uma mudança radical.

 

Objectivos realistas

Ao definirmos os objectivos, num relacionamento, devemos ter o cuidado de o fazer de uma forma realista. Precisas de manter a consciência de que o teu parceiro é um ser humano, com falhas (tal como todos nós). Cuidado com as expectativas! Elas são um factor de risco; tornam-te mais frágil, mais vulnerável, reduzem a tua capacidade de seres realista e aumentam a pressão sobre o teu parceiro, prejudicando a relação, em vez de a melhorar. Muitos relacionamentos não funcionam por causas das expectativas frustradas e, por vezes, inadequadas. Isso significa que não vais desejar nada de diferente do que tens? Certamente que não! Mas esses desejos devem ser realistas, positivos e, acima de tudo, deves fazer a tua parte para que eles se possam concretizar… e fazeres a tua parte de forma eficaz, que resulte, e não usando as mesmas velhas estratégias que tens usado e que já viste que não funcionam!

 

A mudança no teu casamento é possível e está ao teu alcance. Mesmo que o teu parceiro/a não esteja aberto/a  a trabalhar essa área, tu podes aprender as ferramentas necessárias para começares a promover mudança, tanto em ti como na vossa relação.

 

No LisboaCounselling podes fazer uma primeira sessão para perceberes o tipo de trabalho que pode ser feito na tua situação específica e as mudanças que poderemos alcançar. Contacta-nos!

 

Deixa-nós uma resposta...

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

* *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>