Muda sua vida...hoje!

Lisboa Counselling
Vícios… em crianças?

Quando pensamos em vícios pensamos por um lado em adultos e, por outro, em situações graves como alcoolismo ou toxicodependência.

No entanto, vício é simplesmente algo que a pessoa faz e não consegue deixar de fazer. Há inclusivamente vícios que podem ser algo natural numa determinada idade ou quantidade mas, por terem passado para além da idade ou estarem a ser usados em excesso, com a agravante de a pessoa já não ter controlo sobre isso, se tornaram vícios.

Comecemos por olhar para esses hábitos que numa primeira fase não são vício. Nos bebés é normal o uso de objectos como o biberão, a chucha (ou o dedo), a fralda ou paninho fofo a que eles gostam de se agarrar, entre outras coisas. É suposto eles largarem estes hábitos à medida que vão crescendo. No entanto, em muitas crianças podemos encontrar alguns desses hábitos até bastante tarde.

Será que isso tem alguma importância ou efeito?

O que eu tenho encontrado, pela minha experiência, é que em geral as crianças que continuam a alimentar esses hábitos parecem ter uma maturação intelectual e emocional bastante mais lenta. Elas ficam como que presas numa fase anterior e ao entrarem noutras fases, como o início da aprendizagem da leitura e da escrita, há uma imaturidade geral que dificulta essa aprendizagem.

Quando olhamos para “vícios” que acontecem na área da boca, como o uso da chucha, dedo ou biberão, encontramos outros problemas associados. Uma vez que o corpo da criança ainda está em formação, esta vai ser influenciada por esse hábito. O uso da chucha ou do dedo, por exemplo, pode provocar sérias alterações na arcada dentária e no palato duro, assim como nos dentes dianteiros. Isto muitas vezes leva à necessidade do uso de aparelho nos dentes para corrigir um problema que foi provocado pela própria criança. Este hábito também provoca alterações na língua: na sua forma, postura, movimentos e mesmo no seu tamanho. Quando estou a fazer a avaliação da linguagem de uma criança, frequentemente posso perceber que ela chucha no dedo, mesmo sem perguntar. A pergunta só vai confirmar aquilo que já era visível. Com a alteração da forma, tamanho e movimentos da língua surgem também alterações na fala. Em casos mais graves acabam por ser crianças ou mesmo adolescentes, que passam vários anos entre o dentista e o terapeuta da fala.

Há, no entanto, vícios que não afectam (ou parecem não afectar) a saúde da criança. Podemos pensar, por exemplo, em objectos de que eles se vão tornando dependentes. Pode ser a tal fralda de pano, uma almofadinha, um peluche, ou outro objecto que a criança traz sempre com ela. Fisicamente parece não afectar a criança mas creio que, a nível emocional, tem bastante influência. Acabam por ser crianças com tendência para serem menos seguras; crianças que mesmo enquanto crescem continuam demasiado dependentes dos pais e que frequentemente têm dificuldade em lidar com as frustrações. A reacção delas normalmente não é tentar resolver o problema mas agarrar-se ao seu objecto protector, e “ficar” no seu cantinho a auto consolar-se. É uma forma de desenvolver um padrão de auto protecção enganadora.

Outro tipo de vícios que se pode desenvolver à medida que a criança cresce é, por exemplo, roer as unhas, canetas ou outros objectos. Estes vícios podem manter-se até à idade adulta. Durante a adolescência e juventude pode haver uma certa vergonha do vício e um esforço para o esconder dos amigos e da família. Quando não são tomadas medidas para eliminar esse hábito, ele pode acompanhar a pessoa ao longo de toda a sua vida.
Com o início da escola pode surgir o hábito de escrever nas mãos que por vezes também se torna um vício difícil de eliminar. Durante a adolescência podem surgir hábitos de auto-mutilação. Alguns adolescentes começam a cortar-se, normalmente nos braços e isso acaba por se tornar um hábito compulsivo. De forma a ocultarem as cicatrizes dos cortes, por vezes com mau aspecto ou mesmo infectadas, deixam de usar manga curta e passam a ter os braços sempre tapados, mesmo quando está calor. Esta situação muitas vezes ocorre em grupo, entre amigos, que podem cortar-se ao mesmo tempo até quando não estão juntos. Isto pode tornar-se quase um ritual. Por vezes tem situações muito graves na sua origem.

Um vício normalmente não desaparece por si só. É preciso vontade e compromisso tanto da parte da criança ou adolescente, como da família. Quando a criança é muito pequena, no caso da chucha, fralda ou biberão, por exemplo, o compromisso obviamente é só da família e o trabalho que se desenvolve é principalmente com esta.

Para lidarmos com um vício precisamos de perceber o que está por detrás dele e qual a sua dinâmica de funcionamento. O processo de mudança tem que ser planeado e ter uma estrutura. Mas mesmo crianças pequenas podem aprender a ter uma resposta diferente à frustração ou ao tédio. O vício precisa de deixar de ser visto como a única opção.

Como pais, precisamos de tomar consciência de que, quanto mais cedo nos apercebermos de que o nosso filho está a desenvolver algum tipo de dependência e procurarmos ajudá-lo, mais fácil será o processo.

3 Responses to “Vícios… em crianças?”

  • Boa, Mena!
    Gostei imenso e estou plenamente de acordo.
    roberto fife

  • Por favor, tenho um neto de 5 anos que começou a fazer um barulho com o nariz e a garganta ao mesmo tempo (como um porco) e agora faz o tempo todo ainda colocando a lingua para fora, Eu tenho conversado com ele sobre parar com isso e porque ele faz isso, e ele afirma que não sabe e que não consegue parar. Todos tentamos algumas soluções mas nada deu certo, no momento estamos optando por não dar atenção (desde então piorou muito). Gostei de sua abordagem sobre o assunto e gostaria de saber sua opinião sobre meu caso. Desde já agradeço,
    Ayeska

    • Cara Ayeska
      Obrigada pelo seu comentário. Esse barulho que o seu neto faz parece já se ter tornado um vício. Para resolver esse problema é preciso definir uma estratégia e ajudá-lo nesse processo, passo a passo. Simplesmente “parar de fazer” neste momento já é muito complicado para ele. É preciso começar com passos mais pequenos e mais simples ajudando-o a perceber “como” parar.
      Se quiser podemos conversar sobre isso. Pode contactar-me pelo email mena.s@lisboacounselling.com

Deixa-nós uma resposta...

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

* *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>